Autocuidado: Você cuida de você mesma?
Brasil

Autocuidado: Você cuida de você mesma?

Autocuidado: Você cuida de você mesma?
Brasil
Tentar fazer tudo e esperar que tudo saia corretamente é a receita para a frustração. A verdadeira inimiga é a perfeição.

Ao longo da história, as mulheres se ajudaram, conquistaram e transformaram muitas coisas juntas. Desde o direito ao voto até o avanço em representatividade no mercado de trabalho, as mudanças aconteceram porque elas se uniram e apostaram no coletivo. Hoje, no Brasil, mulheres representam 43,8% de todos os trabalhadores brasileiros, segundo dados do IBGE. No entanto, ainda somos minoria nos postos de gestão. Em 2017, apenas 25% dos cargos de liderança eram ocupados por elas*.

Apesar das conquistas, a norma social ainda exige das mulheres responsabilidades sobre todos os aspectos da vida. Espera-se que elas cuidem da casa, eduquem os filhos, estejam dentro de padrões estéticos, e tenham uma carreira profissional de sucesso. Tudo isso sem permitir que qualquer desses aspectos interfira no trabalho. “Tentar fazer tudo e esperar que tudo saia corretamente é a receita para a frustração. A verdadeira inimiga é a perfeição”, diz Sheryl Sandberg, COO do Facebook e autora do livro “Faça Acontecer – Mulheres, trabalho e vontade de liderar”.

Um estudo da Universidade de Cambridge que analisou artigos e pesquisas sobre ansiedade e depressão publicados desde 1999 mostrou que o transtorno de ansiedade atinge duas vezes mais mulheres do que homens, independente de classe social ou etnia. Dados do Programa de Avaliação do Estresse da Beneficência Portuguesa de São Paulo mostraram que conciliar trabalho, responsabilidades domésticas e a família deixam as mulheres mais estressadas do que os homens.

O cenário atual contribui para que as mulheres possam ter mais escolhas de vida. Mas querer abraçar o mundo sem ter tolerância e benevolência com os próprios erros pode ser muito desgastante. Afinal, vale reforçar: a mulher perfeita não existe. Ter consciência disso pode ser libertador e o primeiro passo para uma mudança que te ajude a cuidar da sua saúde mental.

Não existem dicas que funcionem para todas as mulheres. Cabe a cada uma se ouvir e entender a melhor maneira de se cuidar. E esse cuidar pode assumir várias formas, conforme os seus hobbies, seu tempo disponível, o lugar onde você está e as atividades que te dão prazer. Por isso, a principal dica é: esteja consciente. Considere ser amável, paciente e generosa. Mas seja tudo isso para você mesma.

* Women in Business da Grant Thornton Internacional.

Artigo anterior Próximo artigo