Flavia Durante

Conheça Flavia

Flavia Durante
Sempre fui de colocar a mão na massa quando não me sentia atendida. E foi assim com o Pop Plus

Para Flavia Durante, que trabalha como DJ, a moda é uma importante ferramenta de expressão nos ambientes em que frequenta. No entanto, o mercado deixava muito a desejar na produção de roupas que refletissem a personalidade e estilo na numeração de Flávia.

Bastou uma busca no Facebook para descobrir que aquele problema não era só dela. Foi aí que ela resolveu unir outras mulheres para trocar e vender peças plus size que estavam nos seus próprios guarda-roupas.

Como já tinha 20 anos de carreira como jornalista e tinha ainda o trabalho nas boates, Flavia viu tudo de maneira despretensiosa. “Eu achava que aquilo não ia passar de um bazar entre amigas, sempre um plano B, uma renda extra. Nunca achei que ia virar um negócio dessa proporção”, relembra.

Atualmente, Flavia organiza o bazar Pop Plus quatro vezes ao ano e traz peças de empreendedoras de todo o Brasil que se dedicam a atender mulheres gordas em suas lojas. O evento vai completar seis anos e tornou-se um ponto de encontro das estilistas com suas clientes. “Conforme foi crescendo, percebi que era hora de mergulhar de cabeça, comecei a estudar moda e negócios”, explica.

Flavia conta que, na prática, o negócio impacta as mulheres de várias formas: para as donas de lojas, amplia o alcance, o contato e fidelização de clientes; algumas clientes chegaram a virar empreendedoras quando conheceram alguns nichos dentro desse mercado que ainda precisam ser atendidos. Mas a principal afetada é a compradora, que finalmente encontra peças para seu estilo, sem precisar adequar seu corpo para elas.

“Eu costumo dizer que todas as edições do Pop Plus tem várias histórias de primeiras vezes. A primeira vez que uma mulher veste um biquíni ou uma calça jeans. Coisas que podiam ser muito banal para muitas, mas eram inalcançáveis para outras. Ajuda as pessoas a terem opção de escolha”, explica Flavia.

Para a empreendedora, é possível transformar problemas e carências que as mulheres encontram no mercado em oportunidades. “Sempre fui de colocar a mão na massa quando não me sentia atendida no mercado da música, organizava festivais, shows e festas para o público em que me encaixava. E foi parecido com o Pop Plus”, diz.

Conheça o Pop Plus.

Artigo anterior Próximo artigo