Conheça mulheres que estão mudando a indústria da beleza
Brasil

Conheça mulheres que estão mudando a indústria da beleza.

Conheça mulheres que estão mudando a indústria da beleza
Brasil

Elas levaram a insatisfação com a indústria de beleza muito a sério, colocaram a mão na massa e estão ajudando a mudar o cenário desse mercado, tornando-o menos agressivo para o meio ambiente e mais inclusivo para mulheres negras.

Rihanna, fundadora da Fenty Beauty

Ao contrário da maioria das cantoras de sucesso, Rihanna não entrou na indústria de cosméticos só para assinar uma linha – o que já seria um bom empreendimento. Ela fundou a Fenty Beauty e trabalha presencialmente com a marca, fazendo questão de dar o crivo em todos os produtos. para garantir que existam produtos que atendam todas as necessidades das mulheres. Como resultado, já em seu lançamento a marca criou 40 tons de base diferentes, atendendo a uma demanda das mulheres de pele negra que sofrem com a falta de opções no mercado. Conheça a Fenty Beauty.

Ananda Boschilia, CEO da Alva Naturkosmetik Brasil no Brasil

Desde a infância, Ananda aprendeu com a família a importância de usar produtos naturais e evitar químicos na pele. Mas ela também notou a dificuldade que a mãe tinha para encontrar cosméticos naturais no Brasil. Aos 19 anos, Ananda decidiu então seguir sua veia empreendedora e trouxe a primeira maquiagem orgânica e vegana certificada do País, a marca alemã Alva Naturkosmetik.

Rosangela Jose da Silva, diretora de criação da Negra Rosa

Rosangela fala sobre maquiagem para pele negra na internet há cerca de seis anos. Nesse tempo, ela sempre se deparou com a falta produtos voltados para a mulher negra no mercado tradicional de beleza. Usando a experiência e a inquietação, ela criou uma  linha de maquiagem pensando exclusivamente para os diversos tons de pele da mulher negra brasileira. Assim nasceu a Negra Rosa.

Mona Soares, fundadora da Ewé

Graduada em Farmácia pela UFBA, Mona Soares trouxe seu conhecimento técnico para o mundo da beleza natural. Por meio da Ewé (explicar o que é a Ewé), ela convida suas clientes a uma reflexão sobre o consumo de produtos químicos e sobre se cuidar utilizando produtos naturais minimamente processados, ‘como antigamente’. Os produtos da marca não possuem corantes artificiais, conservantes agressivos e nem são testados em animais. Conheça a Ewé.

Balanda Atis, química da L’Oréal

Depois de criar uma base para a pele da atriz Lupita Nyong’o, em sua estreia como a primeira porta voz da Lancôme,  Balanda Atis chamou atenção da dona da marca, a L’Oreal, e tornou-se responsável pelo “Women Of Color Lab” (Laboratório para Mulheres Não Brancas, em tradução livre). No laboratório, ela e sua equipe têm mudado a produção da marca, criando bases e produtos próprios para valorizar a pele negra.

Pat McGrath, fundadora da Pat McGrath Labs

O segredo de Pat é a experimentação. As fãs de maquiagem podem comprar kits de maquiagem que a própria marca sugere para criar diferentes misturas de pigmentos que podem ser usadas tanto para os lábios quanto para os olhos. Conheça a Pat McGrath Labs.

Daniele da Mata, fundadora da escola de maquiagem DaMata MakeUp

A makeup artist é uma referência no mercado de beleza brasileira por ministrar cursos profissionais de maquiagem para a pele negra. A DaMata MakeUp é a primeira escola de maquiagem para a pele negra do Brasil, quando Daniele percebeu que as mulheres negras brasileiras não eram atendidas pelo mercado ou cursos tradicionais. Conheça DaMata MakeUp.

Élida Aquino, Bárbara Vieira e Graucianna Santos, fundadoras da Afrôbox


Apaixonadas por cosméticos, as três empreendedoras decidiram facilitar a vida das mulheres de pele negra apaixonadas. Elas criaram um produto que valorizar as poucas (mas boas) marcas que têm produtos pensados especialmente para a mulher negra, fazendo uma mediação entre elas e as consumidoras. Assim surgiu a Afrôbox, um clube de assinatura de cosméticos que entrega todo mês às suas assinantes uma caixa com produtos. Conheça a Afrôbox.

Próximo artigo