Emprego fixo e negócio dos sonhos: como ter tempo para tudo

Do emprego fixo ao negócio próprio

Emprego fixo e negócio dos sonhos: como ter tempo para tudo
Conhecer mais sobre o outro lado é melhor do que se jogar no escuro

É bastante comum que mulheres iniciem um negócio próprio pela necessidade ou o desejo de ter mais flexibilidade de tempo. Mas a promessa de ser dona da própria agenda pode demorar a se tornar realidade – e enquanto isso, é necessário se equilibrar entre o emprego fixo que garante as contas e o novo negócio. Esta é a segunda matéria da série Do emprego fixo ao negócio próprio.

Uma das vantagens de manter um emprego fixo é a segurança financeira, assim não é necessário tomar empréstimos logo no começo e a transição poderá ser feita de maneira lenta e orgânica. Dados do Sebrae mostram que um terço dos negócios abertos no Brasil fecham em até dois anos, portanto é prudente manter uma segurança. Outra informação importante é a de que uma empresa também pode demorar mais de um ano para ficar no azul.

Juliana De Mari, coach de mulheres em transição de carreira, defende que as coisas sejam feitas aos poucos. “Para começar, é melhor botar um pezinho do outro lado do que fazer uma ruptura e se jogar no escuro”. Na situação de inquietude pela mudança para um negócio próprio, é normal que se queira apenas decidir e tocar o plano. Mas aceitar que se trata de uma transição lenta para dar tempo ao processo sem queimar etapas é importante, defende Juliana. Importante, inclusive, para que a empreendedora de primeira viagem perceba gradualmente as próprias habilidades e bagagens profissionais e entenda que não está partindo do zero, o que a deixará mais segura.

Enquanto isso, cuidado: resolver assuntos do negócio próprio durante o expediente pode pegar mal e reduzir a performance, aumentando as chances de uma demissão. Como fazer, então?

Uma das sugestões de Juliana é marcar conversas rápidas com pessoas que já estão na área que você pretende empreender. Pode ser um cafezinho no fim de semana, um almoço durante a semana ou até um papo por Facebook, Instagram ou e-mail. Este é um passo simples, que não ocupa muito tempo e que ajuda a entender melhor a realidade que você vai encontrar.

Por outro lado, provavelmente sacrifícios terão que ser feitos, como trabalhar em alguns finais de semana e deixar de ter horas livres, mas se for possível fazer isso lentamente, será menos sentido. “O importante é ter uma dimensão que você consiga gerenciar, para não se sentir sem controle num momento de tanta mudança”, explica Juliana. Mas se há a necessidade de dedicar um tempo maior do que algumas horinhas por semana, pode-se considerar alternativas.

Um exemplo é usar férias ou folgas para se dedicar a uma formação necessária, como um curso intensivo, palestra ou workshop, ou para organizar algumas tarefas que precisem de maior concentração tempo, como fazer uma grande quantidade de produtos para ter estoque.

Se o objetivo for ter um negócio físico, vale fazer um teste começando online. De todo modo, iniciar com uma página no Facebook permite agilizar o gasto de tempo empregado nesta fase e ajuda a gerenciar pouco a pouco em intervalos curtos por meio do celular.

Outro possível caminho é ter um trabalho de meio período. Ana Addobbati, fundadora da Women Friendly, empresa de treinamento e certificação contra assédio sexual, decidiu procurar emprego ao mesmo tempo em que buscava a ideia de um negócio próprio que estivesse alinhado aos seus propósitos. E de fato ambas as coisas chegaram. Para a sorte de Ana, o trabalho podia ser feito de casa e em metade do dia. Quando chegou o momento de assumir oito horas diárias, ela entendeu que teria de escolher. “Fui muito transparente desde o começo, por isso não foi difícil explicar que precisava de tempo para dedicar à Women Friendly”, conta. Agora, segue com dois projetos de tempo parcial que a ajudam a se manter enquanto se afirma no mercado.

Bônus: um exercício

Temos cerca de 16 horas e 17 minutos acordadas todos os dias, o que dá cerca de 1000 minutos. Se pensamos em 100 blocos de 10 minutos, como estamos usando tudo isso ao longo de um dia comum?

Tentar entender este gasto e reorganizar as atividades em bloquinhos de 10 minutos facilita encaixar as tarefas do seu novo negócio. Se você tem vinte minutos no transporte, que tal usar para responder e-mails, comentários ou fazer contatos importantes?

Artigo anterior Próximo artigo

To help personalize content, tailor and measure ads, and provide a safer experience, we use cookies. By clicking or navigating the site, you agree to allow our collection of information on and off Facebook through cookies. Learn more, including about available controls: Cookies Policy